spacer logo
line
 
   FESTIVAL 2008


line

Circo
Dança
Filmes
Música
Performance
Projectos de criação
Teatro

+

Janela Indiscreta
+
Espírito do lugar

Redondo
Évora
Estremoz
Montemor-o-Novo
Arraiolos
Aldeia da Luz
Viana do Alentejo

Encontros da luz
Exposições
Sam Buxton
Revista Alentejo

Artes da terra
Oficina do feltro
Andamentos
Escola de Verão
Palco digital

Casa revolucionária
Crónica

+
APRESENTAÇÃO
DESTAQUes
PROGRAMA
NEWSLETTER
DOCUMENTaÇÃO
+
APOIOS
FICHA TÉCNICA
CONTACTOS

+
EDIÇÕES ANTERIORES
2007 | 06 | 05 | 04


spacer line

HOME > CRÓNICA > REGINA GUIMARÃES

line
spacer line

CRÓNICA > indíce

line
spacer line



line
 

Regina Guimarães


O caminho de casa
cheira a árvore
genealógica.

Volta apenas
quando invejares
a majestade corcunda
das oliveiras.

+++

Casas

Sonho muitas vezes com casas
as que conheço e as que não conheço.
Nas que conheço descubro por acaso
mas sem que isso pareça pesadelo
aposentos nunca nunca visitados.
Nas que não conheço eu habito
desde sempre ou desde então.
Como peixe em sua antiga água
mexo nas coisas e moro sem pudor.
Por vezes as casas mais distantes
são vizinhas, comunicam entre si,
sejam ou nunca fossem minhas.
São cativas dos jardins que as libertam
há homens moribundos que lá gemem
suas caves e mansardas tremem
porque ali o terramoto é permanente.
São casas de toda a gente
porque se entra sem pedir licença
e sai-se sem promessa de voltar.
Seus perfumes são recordação
das nossas vidas não vividas
muitas delas à mão de semear
mas poucas as mãos de as colher.
Sonho
e o sonho é
grão gigante
em celeiro exíguo.

+++

Pormenor de sonho 1

Quando os heróis regressavam a casa
secavam as lágrimas
e davam nomes às fúrias,
esperavam que alguém os esperasse
mas em vez disso
eram recebidos por multidões
que só queriam vê-los de costas.
E assim se quedavam para a posteridade
recortados sobre fundo de lágrimas secas
sobre fundo de inúmeros nomes
sobre fundo de fúrias em fuga.
Quando os heróis partiam
eram enfim vistos de costas
e ficavam suspensos no primeiro passo.


Pormenor de sonho 2

Quando os heróis regressam
trazem os pés sujos de oceano.
Mal chegam a casa
guardam os dois na salgadeira
e trocam-nos por pés de água doce.
Fazem-se mais leves a caminhar
quase se confundem com os outros
que nunca partiram
e ainda menos voltaram.


Pormenor de sonho 3

O contrário do destino bate à porta
mas é pesada a mão que vai abrir.

Ouve-se ao longe o pranto dos sinais
e no fio do horizonte
o olhar pousado
não se permite
um instante de descanso.

Acorre à casa o bicho mais manso
saudar o calor que se derrama
na soleira gasta.

Tudo me esquece e me escapa
esqueço e escapo
escapo e esqueço
e a cada fim procuro
outro começo.

 

 


 


Casa Invisível
Carlos Augusto Ribeiro

Guillermo Gómez-PeÑa: a arte de diluir fronteiras

Paulo Raposo e Ana Pais

O LUÍS
Barbara Fonseca


CASAS/PORMENOR DE SONHO
Regina Guimarães